BA 167 | Reflexos da pandemia: “É preciso demitir... E agora?”

Por Fauzi Timaco Jorge
08/10/2020 16:10:08

... você sabe que terá que tomar uma decisão que não lhe agrada: demitir pessoas que estão com você há algum tempo. Então, é chegado o momento de revisar alguns dos critérios que comandam as atitudes gerenciais nesse particular – e inegavelmente desconfortável – aspecto.
 
E ste texto é uma atualização do artigo “É preciso demitir... E agora?”, que publicamos na edição Ano IV – nº 42 – março de 2010 do Balcão Automotivo. Mais do que nunca, ele se mostra atual, diante da queda acentuada do volume de negócios por que passa o País no atual momento, em que enfrentamos uma pandemia, cujos reflexos sobre a atividade econômica são incertos.
 
As perspectivas de retomada podem não ser tão favoráveis no horizonte de tempo considerado razoável para suportar os custos operacionais fixos. Então, é preciso reduzir esses custos fixos. Renegociar forma contratual de trabalho, nos termos do que a legislação de combate à crise proporcionou, pode ser uma alternativa. Mas é uma atitude que lembra o “tapar o sol com a peneira”, porque a queda de receita se acentua e pode significar uma inflexão na continuidade do negócio. Principalmente nos micros e pequenos negócios que compõem o aftermarket automotivo, notadamente na reparação automotiva.
 
Agora, além de cortar custos, é preciso repensar os atributos de cada função na empresa. Quando o e-commerce se acentua, conhecimentos e habilidades relacionadas às mídias sociais e uso de aplicativos de administração do relacionamento com clientes, os conhecidos CRM – Customer Relationship Management, são fatores altamente desejáveis e, para certos cargos, imprescindíveis numa eventual substituição da força de trabalho.
 
 
Recolhido em seus pensamentos, você sabe que terá que tomar uma decisão que não lhe agrada: demitir pessoas que estão com você há algum tempo. Então, é chegado o momento de revisar alguns dos critérios que comandam as atitudes gerenciais nesse particular – e inegavelmente desconfortável – aspecto.
 
Demitir é tão importante – senão até mais importante – quanto admitir alguém. Porque esse fato repercute sobre toda a estrutura de pessoal da empresa. Porque esse fato representa, na maioria das vezes, deslocarmos o pé de apoio do demitido: abrese um fosso entre os interlocutores e quem está se segurando na beirada do precipício é o demitido.
 
Abraham Maslow nos brindou, há alguns anos, com sua “hierarquia das necessidades humanas”, representada na figura que ilustra esse artigo e disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/ Hierarquia_de_necessidades_de_Maslow no ato da redação desse artigo, em 5 de setembro, 13:00 horas. Ali, em Maslow, observamos que há uma sequência lógica no processo de hierarquização [ordenação] das nossas necessidades: de cima pra baixo, não se pode pensar em resolver uma necessidade de realização pessoal sem o suprimento de necessidades relacionadas à estima. Essas, por sua vez, só serão supridas se as questões que dizem respeito ao relacionamento forem satisfeitas, as quais não são resolvidas se existirem pendências relacionadas à segurança que, por sua vez, dependem do adequado equacionamento e solução das necessidades relativas à nossa fisiologia.
 
Já localizou onde se situa o emprego nesse panorama de hierarquia de necessidades? No degrau referente à segurança. Tal e qual a ascensão, que depende da satisfação da necessidade imediatamente anterior, também num processo de descenso se requer a satisfação dessa necessidade para a ascensão a outro patamar nessa hierarquia. Pode-se concluir que, via de regra, uma pessoa demitida irá regredir nessa hierarquização até o patamar próximo ao piso. Ele terá que suprir paulatinamente cada um dos degraus de sua hierarquia de necessidades até se localizar novamente no patamar onde se situava.
 
 
* Fauzi Timaco Jorge (foto) é mestre em Economia pela PUC/SP. Exerceu função executiva em empresas nacionais e estrangeiras nas áreas de vendas, exportação e planejamento. É sócio-gerente da Timaco Planejamento Empresarial desde 1994, uma consultoria na área de planejamento empresarial. Atua como Professor-Tutor no Pós-Graduação Online em Gestão Financeira do sistema FGV Online, desde 2010. Em suas atividades acadêmicas consta a coautoria de diversos livros versando sobre Economia, Finanças e Controladoria.


Comentários

Seja o primeiro a comentar


Canal Balcão Automotivo

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e assista aos nossos vídeos

NOTÍCIAS MAIS LIDAS