BA 167 | Valtermário Rodrigues fala sobre dependência no trabalho

Por Valtermário de Souza Rodrigues
09/10/2020 18:23:27

 
“Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz”
 
Almir Sáter
 
Pode parecer contraditório escrever um artigo com o título “Dependência”, exatamente no mês da Independência do Brasil.
 
Convido você, leitor, a refletir sobre o tema “dependência” sob a ótica do comportamento humano.
 
Resumidamente, *dependência de acordo com o dicionário on line, é “condição de quem é dependente, da pessoa que não consegue desligar de um hábito, especialmente de um vício; sujeição: dependência física. Estado de quem deve obediência a; em que há submissão; subordinação. Necessidade excessiva de auxílio, ajuda, proteção: dependência emocional”, enquanto que, **Independência, em resumo, é “condição da pessoa livre, de quem não deve obediência a alguém; estado do que não depende de: independência financeira, emocional, espiritual. Imparcialidade; estado do que ou de quem não é influenciado com facilidade; Caráter da pessoa que não segue ideias determinadas, regras preestabelecidas”.
 
É certo que em algum momento, período ou situação ao longo da vida, lidamos com comportamento de dependência, contudo, o grande desafio é não permanecer no status dependente acreditando que é normal e que não consegue estabelecer mudanças.
 
Se consideramos o comportamento contínuo de dependência na atuação de um profissional de vendas (balconista), tal comportamento pode sim impactar nos resultados, afinal, a dependência seja por medo, por culpa, dependência emocional, enfim, impõe limites e impede o indivíduo de vislumbrar novas oportunidades.
 
A dependência, portanto, inibe o crescimento. O profissional preso a determinadas crenças limitantes (paradigmas): quer seja pelo passado; por medo; pela opinião dos outros; por sentimento de culpa; por problemas alheios, enfim, corre sério risco de acumular insucessos na carreira profissional.
 
Muitas vezes, por medo de errar, não arrisca; por considerar demais a opinião dos outros, esquece que a motivação é intrínseca, vem de dentro pra fora; para evitar aproximação adota um comportamento arrogante; por não investir em seu próprio conhecimento, depende do conhecimento do outro e nem sempre o outro estará disponível o tempo todo; culpa a falta de tempo quando na verdade o que falta é atitude; reclama por falta de autonomia e não percebe que o que pode estar faltando é se posicionar de forma que seja percebido.
 
É possível sim trabalhar todas essas questões. Uma excelente alternativa para vencer o possível estado de dependência é buscar ajuda junto a um profissional (coach), o qual através de ferramentas poderosas de coaching pode ajudar seu cliente (coachee) a descobrir, por si próprio sua realidade atual (ponto A) e vislumbrar o ponto B (situação desejada em determinado período de tempo. O coaching se utiliza de técnicas e metodologias comprovadamente eficazes, de forma que possibilita ao cochee encontrar respostas a diversos comportamentos que interferem na conquista de seus objetivos.
 
Se você se identificou com o texto, esse pode ser o momento da mudança. Momento, portanto, de declarar sua independência e não ficar às margens do sucesso.
 
 
* Valtermário de Souza Rodrigues (foto) é Analista Administrativo Sênior da Distribuidora Automotiva S/A – Filial Salvador; Bacharel em Administração de Empresas; MBA em Gestão de Empresas; MBA em Liderança Coaching; Co-autor dos livros “Ser Mais Inovador em RH” – “Motivação em Vendas” e "Planejamento Estratégico para a Vida”


Comentários

Seja o primeiro a comentar


Canal Balcão Automotivo

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e assista aos nossos vídeos

NOTÍCIAS MAIS LIDAS